Carreira

Como as emoções podem ajudar ou prejudicar a sua carreira?

Como as emoções podem ajudar ou prejudicar a sua carreira?

A falta de controle emocional gera impactos arrepiantes para a vida pessoal e profissional. As pessoas emocionalmente descontroladas afastam as outras e ninguém gosta de compartilhar ideias ou aspirações com quem não apresenta um mínimo de controle emocional.

Geralmente preferimos ler sobre assuntos que impactam positivamente a nossa vida e profissão, mas quero destacar neste artigo o que perdemos e como podemos comprometer a nossa carreira quando nos descontrolamos emocionalmente. Isso independe da função ou nível hierárquico, sempre, as consequências são grandiosas e nem sempre corrigíveis.

A fadiga e o stress são grandes aliados do descontrole. Quando estamos cansados, nossos “defeitos” se potencializam, se temos a tendência a sermos impacientes e intolerantes, por exemplo, ficamos ainda mais e nossas reações ficam “no limite”, como falamos coloquialmente, “a flor da pele”! Por um lado isso é perfeitamente compreensível, afinal somos seres humanos. Mas o problema está no prejuízo que os “rompantes” causam. A falta de controle emocional gera impactos arrepiantes para a vida pessoal e profissional. As pessoas emocionalmente descontroladas afastam as outras e ninguém gosta de compartilhar ideias ou aspirações com quem não apresenta um mínimo de controle emocional. Essas atitudes podem gerar lesões difíceis de corrigir!

Com a correria e cobrança do mundo moderno, sabemos que isso pode acontecer, por isso sugiro 5 alternativas para evitá-las:

1) Quando você sentir que não está bem naquele dia ou momento e tem uma questão importante para resolver, procure deixar para depois, não faça! Neste caso, as conseqüências podem ser piores que o “deixar para amanhã”. Essa é uma dica contraria a premissa “não deixe para depois o que pode fazer hoje”, neste caso deixe sim! Você não vai querer que as suas reações ruins comprometam o resultado final.

2) Respire fundo, pense antes de agir e busque alguma atividade que possa te manter mais calmo, nem que seja por 10 min. Experimente: ouvir uma música calma, meditar, caminhar, ligar para uma pessoa querida ou divertida, enfim, pense em alguma atividade que “esfrie o seu sangue.

3) A outra dica fundamental é: procure pensar antes de agir! Isso torna a sua ação mais inteligente. Faça um PDCA das suas atitudes: P (plan) Planeje, D (do) execute, C (control) controle e A (action) tome uma ação e corrija.

4) Existem algumas maneiras para você usar as emoções a seu favor, uma delas é procurar conhecer-se melhor, entender suas reações e aprender a controlá-las. Pense em atividades que pode inserir na sua rotina ou pelo menos que possa fazer de 2 a 3 vezes por semana. Elas ajudarão a canalizar suas emoções. Pode ser um esporte, um hobby, contato com a natureza!

5) Se precisar, não deixe de buscar ajuda profissional, não é nenhuma vergonha, o importante é evoluirmos, complicado é quem não admite que precisa ser ajudado. Faça uma terapia, coaching, mentoring ou outras ações interessantes que possam ajudá-lo.

Agora, se já aconteceu e você passou dos limites por alguma razão, seja humilde e peça desculpas, nem sempre resolve, o que está feito, está feito, mas pelo menos fica claro que você percebeu que errou e que pode evitar agir de forma descontrolada da próxima vez. As pessoas certamente te respeitarão mais por isso.

Vale lembrar que a inteligência emocional está relacionada à nossa estrutura de personalidade e, consequentemente, com a forma como nos comportamos diante dos fatos e situações do nosso dia a dia. Portanto, é necessário aprendermos a avaliar mais as nossas ações e reações. Peça mais feedback às pessoas próximas e faça reflexões constantes a respeito do seu comportamento e de suas atitudes. Quando escutar dos outros ou perceber que poderia ter tomado uma decisão de forma emocionalmente mais inteligente, liste novas opções de comportamento e imagine como as pessoas reagiriam a cada reação sua. Da mesma forma que ampliamos nosso vocabulário, podemos ampliar nossas reações e atitudes – lembre-se que não nascemos falando paralelepípedo. Na minha experiência com desenvolvimento de pessoas, descobri que elas se tornam mais inteligentes emocionalmente e relacionalmente à medida que conseguem aprender com suas próprias atitudes e com suas reações e experiências do dia-a-dia.
Boa sorte neste processo!

Receba mais conteúdo de Ana Artigas em seu e-mail!

Topo

Hey! Não perca nossas novidades!

Se inscreva abaixo e receba os melhores conteúdos gratuitos para seu desenvolvimento, promoções, eventos online e muito mais!